Lavanda: Qual tipo de óleo essencial desta planta é ideal para você?

Lavanda: Seu Óleo Essencial é reconhecido mundialmente como o supra sumo da Aromaterapia. Contudo, você já deve ter notado que existem diferentes tipos deste óleo: Lavanda Highland, Lavandin, Lavanda Spike, Lavanda Stoechas. Qual deles escolher?  Nesse post você irá descobrir quais as principais diferenças entre os  tipos de Óleo Essencial desta planta e qual é o mais adequado para você.

A Lavanda produz um óleo essencial muito procurado. Para começar a entender seus tipos, é preciso reconhecer que as espécies desta planta pertencem a uma mesma família botânica: Lamiacea.

Apesar dessas espécies de Lavanda pertencerem à essa mesma família e de todas possuírem Lavanda em seu nome, cada uma dessas variedades são  bem diferentes . Sendo assim, a composição química de cada uma dessas espécies é única. Consequentemente, o efeito terapêutico de seu óleo essencial também. Por exemplo, se o objetivo é trazer relaxamento, a Lavanda Stoechas não seria a melhor escolha. Conhecer as diferenças entre as espécies de Lavanda não é uma curiosidade de  botânicos aficionados… Pelo contrário, é uma necessidade para todos que buscam um resultado excelente no uso de óleos essenciais: Seja em seu cuidado pessoal, seja no cuidado de seus clientes. Nesse post, trataremos de cinco espécies  de Lavanda e seus respectivos óleos essenciais:

 

lavanda 3
“Nas colinas da Alta Provença, na França, no meio do verão, os campos estão coloridos com o azul/violeta da Lavanda, como pinturas impressionistas. É uma alegria para os olhos.” – Dr. Malte Hozzel (Campos de Lavanda – Elise Palmigiane).

 

Lavanda Highland  / Lavanda Maillette (Lavandula Angustifolia)

 

  • Parte da planta:  florescência.
  • Extração : destilação a vapor. 
  • País de origem: França.
  • Aroma: doce, floral, herbáceo, com ligeiro tom amadeirado.
  • Ingredientes: linalil-acetato, linalol, Ocimeno, terpineno-4-OL, Lavandulol, 1, 8cineol, Lavandulil-acetato.

Ela também é chamada de Lavanda Verdadeira, seu nome científico tem duas variações L. Vera e L. officinalis. Essa Lavanda é a mais comum e mais tradicional. Ele é usada desde tempos imemoriais e já encontramos registros de seu uso pelos gregos e romanos, em seus banhos aromáticos. Devido à suas propriedades antissépticas e de  cura ela recebeu esse nome, que deriva do latim “lavare”, que significa lavar ou banhar.

Como o nome indica (Highland, significa Terra Alta), os habitats naturais dessa espécie de Lavanda são locais  com elevação igual ou superior a 900m. Ela é nativa da região mediterrânea e encontra-se em abundância na região de Provence, no sul da França. Sua flor é azul/roxa.

Os principais componentes químicos  do óleo essencial da Lavandula Angustifolia são os ésteres e os álcoois. Os Ésteres indicam que o óleo traz equilíbrio, regeneração celular e propriedade anti-inflamatória. Os álcoois indicam a ação anti-fúngica, anti-viral,bactericida e imunoestimulante. Por quase não conter  cânfora em sua composição, essa espécie de Lavanda se destaca das outras. Ela possui um aroma muito agradável, doce e floral.

lavanda highland

A Lavandula Angustifolia é a ideal para quem procura os efeitos calmantes e relaxantes da Lavanda, bem como os efeitos de regeneração da pele. Ela combina muito bem com praticamente todos os óleos cítricos como o Laranja doce; e também óleos florais como o Gerânio e o Ylang Ylang.

  • Qual a diferença entre a Lavanda Highland e a Lavanda Maillette?

Essa é uma pergunta muito recorrente, pois esses dois óleos essenciais  possuem o mesmo nome científico. Basicamente eles possuem as mesmas propriedades, sendo intercambiáveis. Contudo, a L. Highland é  mais nobre, por crescer em condições ambientais mais propícias ao enriquecimento de sua composição. Essa diferença pode ser notada no aroma. Apesar de bem parecidos, o aroma da L. Highland é mais intenso do que o da L. Maillette.

Sugestões de uso para L. Angustifolia:

  • Há muitas razões para difundir esse óleo de lavanda: para relaxar, para elevar o humor, para remover os nós de estresse, antes de dormir para melhorar o sono, contra os mosquitos, ou apenas para desfrutar da purificação e o aroma típico da Provence.
  • Ideal para banho e massagem, , misturado com óleos carreadores. Para ser apreciado sem qualquer limite!
  • É  um dos óleos  mais seguros da aromaterapia.

 

Lavanda Spike (Lavandula latifolia)

 

  • Parte da planta:  florescência.
  • Extração: destilação a vapor.
  • País de origem: Espanha.
  • Aroma: canforado, herbáceo, refrescante, um pouco mais áspero do que a Lavanda Maillette.
  • Ingredientes: 1, 8-cineol, Borneono, linalol, borneol, pineno.

Essa espécie de Lavanda cresce em altitudes menores do que a Lavandula Angustifolia. Encontrada naturalmente na França e na Espanha.

Os principais componentes químicos são 1,8 cineol, bornéun, linalol, bornéul e Pinen. Estes componentes explicam por que a Lavandula latifolia cobre um espectro completamente diferente de efeitos, se comparada à Lavandula Angustifolia. Entre as espécies da Lavanda, ela  atua como a mais forte anti-bacteriana e anti-viral. É um  bom remédio em caso de bronquite aguda ou crônica, pneumonia e constipações em geral, sem causar danos à pele e flora intestinal. Além disso, por conter cânfora, gera efeitos de fortalecimento do coração.  Em virtude dos efeitos de aumento de circulação sanguínea e propriedades de aliviar a dor é uma boa escolha no caso de tensões musculares e queixas reumáticas. Também vale a pena mencionar que uma mistura de Lavandula Angustifolia e Lavandula Latifolia produziem efeitos muito benéficos sobre a pele.

Em contraste com a L. Angustifolia, a L. Latifolia não possui as qualidades reconfortantes, devido a cânfora contida em sua composição. Ela é capaz de melhorar a produção de Acetilcolina, poderoso  estimulante e revitalizador da atividade cerebral. A acetilcolina apoia a concentração e tem um impacto sobre a nossa capacidade de pensar logicamente.  É um neuro-transmissor capaz de equilibrar a nossa condição psíquica.

Ela combina muito bem com os óleos essenciais de : Eucalipto, Lavanda Highland/Maillette, Patchouli, Pinho, Alecrim, Pau Rosa e Sálvia.

lavanda

 

Sugestão de usos para a L. Latifolia:

  •  É mais anti-séptico do que qualquer outro óleo de Lavanda. É também um excelente repelente de insetos : pode-se usá-lo em um difusor para essa finalidade. 
  • Para ajudar a aliviar dores , como reumatismo, infecções e inflamações: Use-o topicamente , misturado a um óleo carreador.
  • Use-o em compressa fria para aliviar dores de cabeça.
  • Seu uso aromático tem efeito estimulante cerebral, pode ser usado em momentos de trabalho ou estudo em difusor de ambientes, difusor pessoal…

 

Lavandin (Lavandula x intermedia ou Lavandula Hybrida)

 

 

  • Parte da planta:  florescência.
  • Extração: destilação a vapor.
  • País de origem: França
  • Aroma: parecido com a Lavanda Highland, mas com uma pitada de cânfora.
  • Ingredientes: linalol, linalil-acetato, cânfora, 1, 8-cineol, bornéul, Landulil-acetato, lavandulol.

 

Como seu nome científico indica, essa espécie de Lavanda é uma espécie híbrida, ou seja, ela é a combinação da L. Angustifolia e da L. Latifolia. Sendo assim, é de se esperar que essa espécie de Lavanda contenha uma mistura das qualidades e do aroma daquelas duas outras. E é justamente o que acontece! Sua planta, também por ser híbrida, não possui sementes.

lavanda 1

Comparada às outras duas Lavandas, ela é a que possui a maior concentração de Álcoois. Isso faz dela a melhor opção quando o que se busca são os efeitos anti-fúngicos, anti-virais,bactericidas e imunoestimulantes da Lavanda. Além disso, por possuir uma boa quantidade de Ésteres (menos que a L. Angustifolia) ela também tem  efeitos calmantes e relaxantes.

Seu óleo essencial  possui reconhecidas propriedades antiespasmódicos. É especificamente útil como um purificador para arejar ambientes e é  um bom toner de pele. A perda de ésteres  é  compensada por um aumento na cânfora e óxidos, que o  fazem eficazes contra problemas neuro-musculares certamente interessante para os atletas com problemas no trato respiratório.
Além disso, é eficaz na regulação da circulação sanguínea , agindo como um remédio cardiotónico.
 
É muito importante saber que Lavandin você está comprando. O Lavandin costuma ser mais barato do que a Lavanda, mas os preços baixos não garantem a qualidade!
 

Sugestões de uso do L. Hybrida:

  • Para relaxar os músculos: massagem com poucas gotas diluídas em seu óleo carreador favorito.
  • Para criar relaxamento da mente e acalmar ansiedades : use em difusor pessoal ou de ambiente,  tanto quanto queria.
  • Para o mesmo efeito  acima: banho com gotas de óleos diretamente na água.
  • Para ajudar na cura de feridas : espalhe algumas  gotas em um tecido e aplique  com uma compressa.

 

Lavanda Stoechas (Lavandula Stoechas)

 

  • Parte da planta: flor/planta.
  • Extração: destilação a vapor
  • País de origem: Portugal.
  • Aroma: aroma floral doce e tons de ervas, canforado como Lavanda Spike, mas um pouco mais terroso.
  • Ingredientes: Alpha-Pineno, Limoneno, Campheno, Fenchon, bornéun.

 

Também chamada de Lavanda Espanhola essa espécie pode ser facilmente identificada pelo formato diferenciado de sua flor. Elas são em forma de abacaxi, com muitas flores minúsculas e um tufo de penas na parte superior espalhando algumas pétalas  azul violeta.

lavanda 2

 

 Ruth von Braunschweig menciona em seu livro “Praxis Aromatherapy” que sua característica predominante  é seu índice elevado de monoterpeno cetona (até 80%). Isto dá a esse óleo Essencial a  excelente propriedade de liquefazer o muco, mas por outro lado tem propriedades neurotóxicas e abortivas. Além disso, é altamente eficaz para a otite média (com efusão por trás da membrana timpânica), bem como bronquite e resfriados, sendo um agente antibacteriano e antiviral. Além disso, a alta concentração de cetona promove a renovação celular e promove a  cicatrização de  feridas.

No nível psíquico estimula a atividade e anima a mente. Não é indicada para quem procura o aroma peculiar da Lavanda, doce e floral. Por conter cânfora e alguns outros componentes, seu aroma difere bastante da Lavanda convencional.

Ela combina muito bem com: Benjoim, Bergamota, Cedro, Camomila, Sálvia Sclarea, Jasmim, Rosa, Palmarosa, Patchouli, Petitgrain,  Gerânio Rosa, Alecrim, Tangerina e ylang ylang.

Sugestão de usos da L. Stoechas:

  • Por sua alta concentração de cetonas, ele é muito útil para liquefazer o muco, podendo ser difundido.
  • Seu uso aromático também estimula a atividade mental, sendo um óleo indicado para o momento de estudo ou trabalho.

 

Para concluir…

A Lavanda é usada desde tempos imemoriais.  Ela  é a gloriosa rainha da aromaterapia: pacifica e consola, refrigera e relaxa. Seu óleo essencial é como uma panacéia de amplitude incrível, um curandeiro para o coração, os pulmões, o trato digestivo… A complexidade do verdadeiro óleo de Lavanda e sua beleza perfumada são dificilmente igualadas por outros óleos essenciais.” – Dr. Malte Hozzel

 

  • Alguma dúvida a respeito de Aromaterapia e Óleos Essenciais? Fique a vontade para fazer sua pergunta abaixo, nos comentários, ou nos mande uma mensagem inbox no Facebook. Se preferir, entre em contato em nosso email: editorial@oshadhi.com.br.

 

Salvar

Salvar

Salvar

53 thoughts on “Lavanda: Qual tipo de óleo essencial desta planta é ideal para você?

  1. NADIA CSIZMAR SOARES says:

    Cada vez mais apaixonada pelos óleos essenciais em especial a lavanda,pois cultivo, e esse aprendizado foi de grande valia esclarecedor…gratidão sempre

  2. Maria Ábramo says:

    Oi Yan e a nossa querida lavanda dentata? repleta de cetonas, excelente para a terceira idade, memória estudo, que naturalmente nasce em Cunha e no Rio Grande do Sul, aqui no Sul de Minas ela poderia estar no roll das Lavandula Stoechas ?? embora a composição química seja diferenciada?

      • Editorial Oshadhi says:

        Olá, Denyse! Bom dia!

        A Lavanda Brasileira, lavandula dentata, está entre a lavanda Spike
        e a Stoechas, por conta de uma concentração alta de cânfora em sua composição
        quando comparada à lavancula angustifolia.

        Um abração!

  3. Roberta Okåzuka says:

    Foi a melhor matéria que li sobre os óleos de lavanda, pois se eu tinha algumas dúvida todas elas foram respondidas com essa leitura maravilhosa

  4. Tereza Prallon says:

    Muito interessante a matéria sobre os diferentes tipos de Lavanda! Para uma pessoa idosa que sofre com dores de artrose e também depressão, qual seria a mais indicada?

      • Editorial Oshadhi says:

        Boa tarde, Simoni! Tudo bem?

        Excelente, é uma experiência muito legal, não é?

        A Lavanda dentata é uma espécie de Lavanda que se adapta melhor ao ecossistema brasileiro, por este motivo a grande maioria das lavandas cultivadas aqui no Brasil é desta espécie. Contudo, é preciso observar que, em comparação com a Lavanda Maillette (Lavanda Francesa), ela possui uma composição química bem diferente, portanto, o aroma e a indicação terapêutica também são bem diferentes.

        Um caminho para traçarmos o perfil terapêutico da Lavandula dentata é, justamente, identificar seus principais componentes e entender o efeito destes componentes.

        O maior componente da Lavandula dentata é o Eucaliptol (também chamado de 1,8 Cineol).

        Óleos ricos em 1,8 cineol podem ser auxiliares muito poderosos em qualquer doença respiratória. Também podem ter efeitos antivirais, antibacterianos, expectorantes e mucolíticos. Também estimulam as glândulas do sistema respiratório e agem como expectorantes porque estimulam as células secretoras de muco e ativam os cílios das membranas mucosas respiratórias. Além disso, possuem efeito estimulante no processo mental, aumentando o fluxo sanguíneo para o cérebro quando inalado. Pesquisas demonstraram que o componente 1,8 cineol diminui a tosse, facilita a expectoração e diminui a falta de ar. Tem um efeito anti-inflamatório na asma brônquica. Também costuma apresentar efeitos analgésicos, antiespasmódicos e anti-inflamatórios para sistemas musculares e respiratórios. Por aumentar a circulação sanguínea, é preciso ter muito cuidado ao utilizar o óleo de Alecrim qt. Cineol, principalmente com pessoas que sofram de pressão alta.

        Mais info sobre a Lavandula dentata:

        https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/REBES/article/view/4442
        https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-84782019000800403&script=sci_arttext

        Um abração,

    • Editorial Oshadhi says:

      Olá Eloise!

      A Lavanda inglesa é a mesma Lavandula angustifolia. O termo “inglesa” apenas
      designa que é uma lavanda cultivada na Inglaterra, mas o espectro de efeitos terapêuticos
      será o mesmo da Lavandula angustifolia.

      Um abração!

  5. Leticia says:

    Olá, qual seria ideal para ajudar com noite de sono de bebe de 9 meses? Ele é muito agitado e acorda por qualquer motivo, praticamente a cada 2 horas, desde sempre… 🙁

    • Oshadhi says:

      Olá, Letícia!

      Grato pela pergunta.

      O ideal é a Lavanda Maillete ou a Highland, pois os outros tipos de lavanda possuem Cânfora, um componente muito forte para um bebê.
      Mas lembre-se, dilua esse OE de lavanda a 1% num óleo carreador suave, como o óleo de amêndoa, por exemplo.

      Um abração!

    • Editorial Oshadhi says:

      Olá, Drika!

      Grato por seu comentário.

      Aconselhamos que a a ingestão dos Óleos Essenciais só seja feita junto
      ao acopanhamento de um Aromaterapeuta responsável.

      Quanto à qualidade de nossos produtos ( pois isso é fundamental se pensas em ingerir um Óleo Essencial),
      temos plena confiança em sua qualidade e pureza. Nossos produtos são de cultivo orgânico ou selvagem, isso
      garante sua pureza.

      Um abração!

  6. Denise Oliveira says:

    Ótima matéria. Muito esclarecedora.
    Adoro o óleo de lavanda e costumo pingar uma gotinha em uma das mãos para esfregar na outra e inalar a fragrância que me faz muito bem. Há alguma restrição neste tipo de uso?

    • Editorial Oshadhi says:

      Olá, Denise! Grato pelo seu feedback.

      Não há restrições nesse tipo de uso, até costumamos indicar
      esta mesma maneira que descrevestes.

      O Óleo de Lavanda é um dos mais seguros para serem usados. Eu também
      gosto de usá-lo dessa maneira, às vezes passo nas solas dos pés para
      relaxar-me antes de dormir.

      Um abração!

  7. Rosana Tognetti says:

    Adorei a postagem! Uma matéria muito rica. Eu gostaria de saber qual óleo essencial de lavanda seria mais indicado para tratamento da sinusite e como pode ser aplicado?

    • Editorial Oshadhi says:

      Olá, Rosana! Bom dia!

      Grato por seu feedback.

      Para o caso de sinusite, o óleo de Lavanda mais indicado seria o Spike.
      Por conta de sua concentração de cânfora, ele pode auxiliar a limpar as vias respiratórias.
      Use-o através da inalação, algumas vezes ao dia ( inalador pessoal, de ambiente ou na garrafinha mesmo).

      Um abração!

    • Editorial Oshadhi says:

      Olá Diana!

      Se o nome científico é Lavandula Angustifolia, é a mesma Lavanda Maillete.
      O que muda aí é o local de cultivo (China, como o dizes). Isto poderá influenciar,
      trazendo a necessidade da planta desenvolver determinados compostos químicos. Mas, de modo
      geral, ela se encaixará na descrição da Lavanda Maillete (Lavandula aNGUSTIFOLIA).

      Um abração!

        • Editorial Oshadhi says:

          OLá, Marly!

          Então é o seguinte, os principais componentes deste tipo de Melaleuca (Melaleuca ericifolia) são:
          Linalol, 1,8-cineol e Alfa-pineno. Portanto, o nome popular deste óleo é “Melaleuca Lavanda” por conta
          da alta concentração de Linalol em sua composição, o que o aproxima do óleo de Lavanda.

          Dos tipos de Lavanda descritos neste artigo, o que mais se aproxima desta Melaleuca, sob o ponto de
          vista químico, é a Lavanda Spike, pois ela também possui quantidades significativas de 1,8 Cineol e também Linalol. No caso do Alfa-pineno,
          você encontrará na Lavanda Stoechas, mas ali haverá muito pouco Linalol.

          Espero ter te auxiliado, caso queira perguntar mais alguma coisa, estamos a disposição.

          Um abração!

    • Editorial Oshadhi says:

      Olá, Claudio!

      Sim, existe a Lavandula dentata, que é aquela que vem sendo cultivada no Brasil.
      Sendo, por isso, também chamada de Lavanda brasileira. A Lavandula dentata está entre a lavanda Spike
      e a Stoechas, por conta da alta concentração de cânfora em sua composição, quando comparada à lavancula angustifolia.

      Um abração!

      Um abração!

  8. Anna Maria Carvalho Carvalho says:

    Muito bom seu artigo sobre os diferentes tipos de lavanda. Gostaria de receber o guia para óleos essenciais e suas aplicações. O efeito calmante ou estimulante das lavandas são avaliados pela composição química (diferentes teores de cânfora, etc) ou a partir de avaliações psicoterapeúticas? Obrigada.

    • Editorial Oshadhi says:

      Bom dia, Anna! Tudo bem?

      Grato por seu feedback!

      Enviamos ao seu email os ebooks que tens interesse.

      Quanto à sua pergunta é o seguinte:

      A maioria dos estudos que temos acesso em relação aos
      efeitos terapêuticos dos OE´s se vale de uma análise química pela
      qual se associam determinados compostos químicos “ativos” a determinados
      efeitos químicos no organismo (muitas vezes no organismo de cobaias animais).
      Assim acontece com o óleo de Lavanda e, como mencionaste, a Cânfora costuma ser estar
      associada aos efeitos estimulantes.

      Contudo, já existem alguns estudos que valem-se de avaliações psicoterapêuticas (percepções
      subjetivas, ritmo cardíaco, ritmo respiratório, etc.), onde
      o efeito calmante da Lavanda é afirmado.

      Espero ter ajudado, caso precise de algo mais não hesite em nos chamar.

      Um abração!

  9. maria oliveira says:

    Adorei conhecer os tipos de lavanda, deixe me tirar uma duvida, tempos atras comprei um oleo essencial de lavanda, e axei o cheiro horrivel, meio amadeirado, meio cheiro de gordura banha, eu axei que o oleo deveria ter um cheiro super floral, para comparar o de bergamota tinha um cheiro bem caracteristico da fruta. O cheiro dos oleos de lavanda são assim mesmo ? ou existe um que seja floral ? Obrigada

    • Editorial Oshadhi says:

      Bom dia, Maria! Tudo bem?

      Ficamos felizes que o artigo foi de serventia e agradecemos seu feedback.

      O óleo em questão é o Lavanda Maillete (ou Highland) – Lavandula angustifolia?
      Se sim, não é normal este cheiro que descreveste não. Isto cheira à adulteração ou
      à óleo essencial misturada à óleo vegetal que (aí sim), pode ter este cheiro que relataste,
      principalmente se o óleo vegetal rancidificar.

      Um abração!

    • Editorial Oshadhi says:

      Bom dia!

      Trata-se da Lavandula angustifollia.

      Este nome, 40/42, é um termo técnico que designa a variação de um componente
      específico dentro do óleo (o acetato de linalila), que pode variar entre 40 a 42%.

      Um abração!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Alguma dúvida a respeito de Aromaterapia e Óleos Essenciais? Fique a vontade para fazer sua pergunta abaixo, nos comentários, ou entre em contato em nosso email: editorial@oshadhi.com.br. Quando respondermos ao seu comentário, você receberá um aviso em seu email (lembre-se de conferir sua lixeira e spam).